domingo, 28 de janeiro de 2024

2 de Fevereiro: Pirataria Pedagógica e a arte de navegar: conversas sobre educação, anarquia e cultura política


Pirataria Pedagógica e a arte de navegar
conversas sobre educação, anarquia e cultura política


com Fernando Bomfim Mariana (prof. e investigador da Univ. de Brasília)

2 de Fevereiro (sexta-feira)

20h00 Jantar
20h30 Roda de conversa


«Para navegar nos mares da educação precisamos de recuperar os nossos mecanismos para atravessar o infinito. Se a educação aqui é entendida como as águas infinitas de um mar aberto, a cultura política anti-capitalista é a nossa bússola por caminhos inóspitos e impensáveis.

Desprovido de bandeiras nacionais, o nosso navio segue sem fronteiras, e as únicas bandeiras que poderemos levantar serão as da nova pirataria insurgente contra as relações de trabalho alienadas e contra as hierarquias sociais – apelando a uma outra forma de estar entre os humanos e todas as formas de vida neste planeta. E noutros.

A pirataria pedagógica luta para afundar os navios de guerra dos Estados e das corporações financeiras – assim como os seus princípios autoritários que aprisionam a condição humana sob a forma de “cidadãos-consumidores”. Uma navegabilidade que tenta aproximar-se da arte de viver e, por isso, oferece nuances de alquimia entre a arte e o mar.

Para além de partir ao assalto de utopias renovadas e proclamar a arte de viver, tal pirataria pedagógica segue outro código fundamental: a coragem de lutar contra os dispositivos escolares que nos oprimem, nos domesticam, nos uniformizam e massacram os nossos pensamentos livres.»

excerto da apresentação de Pedagogical piracy and the art of sailing: writings on education and political culture de Fernando Bomfim Mariana (Brasília: Universidade de Brasília, 2023)

sábado, 13 de janeiro de 2024

20 de janeiro: Concerto benefit para o novo Ateneu Libertário, na SMUP (Parede)


Concerto Benefit para o novo Ateneu Libertário 

20 de janeiro na SMUP
Rua Marquês de Pombal 319, Parede (junto à estação de comboio - Linha de Cascais)

O Gajo
Gangstas Afri Familia (GAF)
Fado Bicha
Lôv Da Xit


+ Bancas
+ Apresentação do projeto “Novo Ateneu Libertário para a região metropolitana de Lisboa!”

Todxs à SMUP dia 20! O teu apoio é importante!

Organização:
A Batalha
Centro de Cultura Libertária
BOESG

Apoio:
Cultura no Muro


*  *  *

É com grande alegria que partilhamos convosco que o Centro de Cultura Libertária fica em Almada por mais 5 anos!
O peso e o clima tenso que o CCL tem vivido nestes últimos tempos, devido à notícia do despejo para Março de 2024 foi-nos por agora levantado dos ombros.
Devido a uma reviravolta inesperada, houve uma renovação automática do contrato e por isso conseguimos permanecer por mais 5 anos, levantando o punho da resistência bem alto, uma vez mais.
Agora com mais tempo de maneio, é possível, em conjunto com A Batalha e a BOESG preparar melhor a aquisição de um espaço conjunto que constitua o novo Ateneu Libertário na zona metropolitana de Lisboa. Seguimos juntos e empenhados em avançar com este projeto que nos sirva e a toda a comunidade libertária portuguesa, um espaço protegido de novas ameaças de despejo, que nos pertença.
Um espaço que aloje a biblioteca, o arquivo e a livraria do CCL, e também os importantes acervos da BOESG e de A Batalha. Um espaço de difusão e proteção da cultura libertária que tenha por objetivo a recuperação e a protecção da memória, o encontro e o dinamismo das ideias anarquistas. Um espaço aberto a novos e velhos colectivos que dele queiram fazer uso.
Seguiremos a multiplicar variadas iniciativas de angariação de fundos e apelamos à contribuição de todas as pessoas e colectivos solidários através de donativos, da realização de eventos e da divulgação da campanha.
Sabemos que temos pela frente uma difícil tarefa, mas acreditamos que pela força do conjunto e pela solidariedade anarquista conseguiremos levar esta ideia a bom porto.

terça-feira, 12 de dezembro de 2023

16 de Dezembro no CCL: Territórios ocupados - Conversa à volta da temática dos baldios em Portugal + jantar


Territórios ocupados - Conversa à volta da temática dos baldios em Portugal + jantar

Sábado 16, às 17:30

Visualização do documentário de José Vieira — Territórios Ocupados (76')

Conversa à volta da temática dos baldios em Portugal, com a presença das investigadoras Ana Luz (Universidade Nova) e Marta Romero (SOCIUS).

Os Cantos dos Baldios é a história de uma espoliação contada pelo povo das serras do Caramulo. As pessoas falam da sua vida após a violenta ocupação e florestação dos seus terrenos comunitários pelo Estado em 1941. Falam de miséria e de emigração, das rupturas e das feridas impostas pelo curso violento da história, contam as suas resistências a essa expropriação. Elas têm ainda a memória de um tempo onde as comunidades se construíam numa percepção colectiva do território que as envolvia.

Acerca das convidadas:

Ana Luz (Universidade Nova)
Licenciada em Engenharia Florestal, onde aproximando as ciências sociais e humanas despertou para a realidade dos baldios, tema que aprofundou num doutoramento na área da Ecologia Humana.

Marta Romero (SOCIUS)
No seu doutoramento em Sociologia Rural da Wageningen University (concluído em 2022), estudou a relação entre as práticas comunitárias em baldios (terrenos comunitários históricos no Noroeste da Península Ibérica) e a transformação do paradigma florestal atual associado aos fogos rurais.

terça-feira, 7 de novembro de 2023

11 de Novembro no CCL: Ocupação como ferramenta de luta pela habitação!


Ocupação como ferramenta de luta pela habitação!


À conversa com a rede de Okupação e Resistência, Stop despejos, CCL, entre outres intervenientes

Início às 17h:30
seguido de jantarada

quarta-feira, 25 de outubro de 2023

Sábado, dia 28/10 no Porto: Apresentação do projecto por um novo ateneu libertário!

 

Por um novo Ateneu Libertário! 

Maldatesta - Rua de S. Roque da Lameira 2236, Porto

Sábado, 28 outubro, 18:30


Apresentação de um novo projeto conjunto entre o CCL, A Batalha e a BOESG. Conversa com os integrantes dos coletivos e partilha de ideias e aspirações à volta deste novo projeto. Conversa seguida por Jantarada. Apareçam!

Mais informações e como contribuir:

https://culturalibertaria.blogspot.com/2023/09/por-um-novo-ateneu-libertario-em-lisboa.html

quinta-feira, 28 de setembro de 2023

For a new Anarchist Center in Lisbon!

Three collectives that belong to the history of Portuguese anarchism – Centro de Cultura Libertária, BOESG (library) and A Batalha (newspaper) – got together to buy a new Anarchist Center in the Lisbon region: a common space, open to old and new collectives, that will rid us, once and for all, of the pressure brought about by gentrification and real estate. The new Anarchist Center will be a social center but will also host the relevant archives and libraries of the three collectives. In the coming months, we will be hosting a massive fundraising campaign, and we are asking for the contribution of all persons and collectives solidary to the anarchist cause.


For a new Anarchist Center in Lisbon!

The space that the Centro de Cultura Libertária (CCL) has occupied and rented for almost 50 years is again in danger. The continuous pressure exerted by gentrification and the real estate market, which has lead to the eviction of so many people and associations and forced them to leave the city centers, targets the CCL again, this time with definitive force: after years of threats and eviction processes that we resisted, in March 2024, the CCL will have to definitively leave its historic headquarters in Cacilhas (Almada, Portugal).

We want a space that serves not only the CCL but also the Portuguese anarchist community, a space protected from new threats of eviction, that belongs to us. For this reason, the collective of the centenarian newspaper A Batalha and the collective of the Observatório dos Estragos da Sociedade Organizada Library (BOESG) decided to join their efforts with the CCL for the acquisition of a joint space that would be a new Anarchist Center in the Lisbon area. This will be a space that houses the CCL library, archive and bookshop, as well as the important collections of BOESG and A Batalha; a space for the diffusion and protection of anarchist culture that has as its objective the recovery and protection of memory, a meeting place to promote anarchist ideas; a space open to new and old collectives that want to make use of it.

In the coming months, we will multiply fundraising initiatives and call on all charitable people and collectives to contribute through donations, holding events and publicising the campaign. We know that we have a difficult task ahead of us, but we believe that through the strength of many, working together and through anarchist solidarity, we will be able to bring this idea to a successful conclusion.


Bank account details for donations:
Account Holder: CENTRO DE CULTURA LIBERTÁRIA
IBAN: PT50003501790000215493029
BIC/SWIFT: CGDIPTPL

Crowdfunding: https://whydonate.com/en/fundraising/anarchistcenter

Liberapay: https://liberapay.com/CCL/donate

Paypal: https://www.paypal.me/cculturalibertaria

MBWAY: 913 125 532

sábado, 23 de setembro de 2023

FEIRA ANARQUISTA DO LIVRO: Lisboa - 23 e 24 DE SETEMBRO

 


O Centro de Cultura Libertária vai estar presente na Feira Anarquista do Livro, a realizar nos dias 23 e 24 de Setembro no Centro Social do Bairro Alto (Rua da Rosa, 285, Lisboa).

No dia 24, às 11:30, apresentamos o projecto de um novo ateneu libertário na região de Lisboa, conjuntamente com o jornal A Batalha e a BOESG .
 

Mais informação e programa: https://feiranarquistadolivro.coletivos.org/

domingo, 10 de setembro de 2023

Crowdfunding: Por um novo Ateneu Libertário em Lisboa!

O espaço que o Centro de Cultura Libertária (CCL) ocupa e arrenda há quase 50 anos está novamente em perigo. A contínua pressão exercida pela gentrificação e pelo mercado imobiliário, que tantas pessoas e associações tem despejado e forçado a sair do centro das cidades, volta a atingir o CCL, desta vez com força definitiva: depois de anos de ameaças e processos de despejo a que resistimos, em Março de 2024 o CCL terá mesmo de deixar a sua histórica sede em Cacilhas.

Queremos um espaço novo que sirva não só o CCL como também a comunidade libertária portuguesa, um espaço protegido de novas ameaças de despejo, que nos pertença. Por isso, o colectivo do jornal centenário A Batalha e o colectivo da BOESG decidiram juntar os seus esforços ao CCL para a aquisição de um espaço conjunto que seja um novo Ateneu Libertário na zona de Lisboa. Um espaço que aloje a biblioteca, o arquivo e a livraria do CCL, e também os importantes acervos da BOESG e de A Batalha. Um espaço de difusão e proteção da cultura libertária que tenha por objetivo a recuperação e a protecção da memória, o encontro e o dinamismo das ideias anarquistas. Um espaço aberto a novos e velhos colectivos que dele queiram fazer uso.

Nos próximos meses multiplicaremos as iniciativas de angariação de fundos e apelamos à contribuição de todas as pessoas e colectivos solidários através de donativos, da realização de eventos e da divulgação da campanha. Sabemos que temos pela frente uma difícil tarefa, mas acreditamos que pela força do conjunto e pela solidariedade anarquista conseguiremos levar esta ideia a bom porto.


Dados da conta bancária para donativos:

Titular: CENTRO DE CULTURA LIBERTÁRIA
IBAN: PT50003501790000215493029
BIC: CGDIPTPL

MBWAY: 913 125 532

Liberapay: https://liberapay.com/CCL/donate

Paypal: https://www.paypal.me/cculturalibertaria

Crowdfunding: https://whydonate.com/en/fundraising/anarchistcenter

https://www.facebook.com/jornalabatalha
https://www.instagram.com/jornalabatalha/
https://culturalibertaria.blogspot.com
https://www.instagram.com/centroculturalibertaria/
https://www.facebook.com/Biblioteca.BOESG/

segunda-feira, 3 de julho de 2023

7 de Julho no CCL: Lutas Sociais no Brasil e Anarquismo - com a Biblioteca Terra Livre de São Paulo

 

Dia 7 de Julho (sexta) no Centro de Cultura Libertária

19h00 | Lutas Sociais no Brasil e Anarquismo - com membro da Biblioteca Terra Livre (São Paulo)

20h30 | Jantar

 

segunda-feira, 15 de maio de 2023

20 de Maio no CCL: Por um novo espaço para o Centro de Cultura Libertária + jantar


 

Sábado, 20 de Maio no CCL


18h - Apresentação da campanha por um novo espaço para o Centro de Cultura Libertária

20h - Jantar de angariação de fundos



Por um novo espaço para o Centro de Cultura Libertária!

O espaço que o Centro de Cultura Libertária ocupa e arrenda há quase 50 anos está novamente em perigo. A contínua pressão exercida pela gentrificação e pelo mercado imobiliário que tantas pessoas e associações tem despejado e forçado a sair do centro das cidades atinge-nos uma vez mais. Depois de anos de ameaças e processos de despejo a que resistimos, em Março de 2024 o CCL terá que deixar a sua histórica sede em Cacilhas.

Ao longo destes quase 50 anos, várias gerações de anarquistas deram, neste local, voz às suas esperanças e lutas através das mais variadas actividades e meios. Por aqui passaram e habitaram muitos colectivos, publicações, actividades culturais e lúdicas que 'levaram um mundo novo nos seus corações'. O CCL é um espaço único, de uma história que teima em persistir, que resiste e luta pelo seu lugar nas mentes e nas acções de quem ousa pensar e agir sem deus nem amos. O CCL alberga também um arquivo da memória libertária e uma biblioteca únicos na região portuguesa. É um espaço de continuidade da luta anarquista nesta região, e por isso pretendemos que mantenha essa chama acesa por muitos mais anos.

Lançamos por isso um apelo e uma acção de angariação de fundos com vista à aquisição de um espaço para o Centro de Cultura Libertária. Um espaço que lhe pertença e de onde não possa ser despejado. Um espaço que aloje a biblioteca, o arquivo e a livraria do CCL. Um espaço de difusão e proteção da cultura libertária que tenha por objetivo a recuperação e a protecção da memória, o encontro e o dinamismo das ideias anarquistas.

Nos próximos meses multiplicaremos as iniciativas de angariação de fundos e apelamos à contribuição de todas as pessoas e colectivos solidários através de donativos, da realização de eventos solidários e da divulgação da campanha.


Dados da conta bancária do CCL para donativos

Titular: CENTRO DE CULTURA LIBERTÁRIA
IBAN: PT50003501790000215493029
BIC: CGDIPTPL

MBWAY do CCL para donativos
913 125 532

quinta-feira, 22 de dezembro de 2022

Cine-Fórum em janeiro e fevereiro de 2023 no CCL

Deus está Morto!
Livre pensamento e fanatismo religioso
"Um chefe no céu é a melhor desculpa para um chefe na terra, portanto, se Deus existisse, teria que ser abolido." M. Bakunine
7/01/2023 | Giordano Bruno
1973, Giuliano Montaldo, 2h
it., legendas ing.
21/01/2023 | Ágora
2009, Alejandro Amenábar, 2h
ing., legendas pt.
04/02/2023 | The Devils
1971, Ken Russell, 1h51m
ing., legendas pt.
18/02/2023 | The invention of Lying
2009, Ricky Gervais, 1h40m
ing., legendas pt.
Todas as sessões terão início às 17h30

quarta-feira, 14 de dezembro de 2022

Sexta 16/12 no CCL: "Prelúdio a um desastre" + noite de pizza

19h | Vídeo "Prelúdio a um desastre"
20h30 | Jantar com pizzas veganas
Prelúdio a um desastre
[‘Trouble #23: Prelude to a Disaster’, de subMedia; 37 min.; em inglês]
A cada dia as notícias são piores. Milhões de pessoas são forçadas a deslocar-se por ondas de calor e secas inauditas, assim como por violentas megatempestades e inundações repentinas. Incêndios florestais sem precedentes expandem-se sem controlo, arrasando largas extensões de floresta e mato, e mergulhando os centros urbanos próximos em cenas surreais de escuridão no meio do dia. Entretanto, os cientistas informam-nos solenemente de que a vida marinha pode ficar extinta em meados deste século, à medida que os oceanos continuam a ser transformados, de zonas vibrantes de grande biodiversidade, em cemitérios da civilização industrial repletos de plástico. Por mais que tentemos... as consequências do nosso estilo de vida inconsequente tornam-se cada vez mais difíceis de ignorar.
É hoje amplamente aceite que o ‘aquecimento global’ é uma realidade e que as actuais taxas de emissão de carbono das nossas sociedades colocam em risco as gerações futuras. Milhões de pessoas concordam que estamos a roubar aos nossos descendentes por nascer o seu direito a um planeta habitável – algo que os seus ancestrais estupidamente tomavam como garantido. Esta consciência crescente está a traduzir-se num consenso cada vez maior de que nossos “líderes” precisam de intervir para resolver este problema e corrigir esta injustiça histórica. Infelizmente, a maioria dos activistas ambientais continua a ser afectada por uma falsa noção de como o poder opera na sociedade, da escala do problema que enfrentamos… e o que realmente seria necessário para resolvê-lo. Neste episódio de Trouble, a subMedia analisa mais de perto estas dinâmicas, argumentando pela importância de praticar acções ousadas para defender as biorregiões locais, mesmo enquanto lutamos pela total derrocada e substituição da economia capitalista global.
Inclui entrevistas com Dahr Jamail, Nafeez Ahmed, Mel Bazil, Aric McBay e membros do Earth First! Journal Collective.

quarta-feira, 19 de outubro de 2022

22 de Outubro no CCL | Videoconversa: A construção da Rússia pós-soviética + Jantar solidário

Contra os Estados e as suas guerras! Solidariedade para com as resistências anti-autoritárias na Ucrânia, rússia e região. A construção da Rússia pós-soviética
17h30 vídeo-conversa | 20h jantar solidário

segunda-feira, 19 de setembro de 2022

Dia 24 de Setembro, no CCL

Videoconferência com Repovoadoras de Fraguas seguida de jantar solidário Em 2013, um grupo de pessoas decidiu ocupar Fraguas, uma aldeia abandonada na província de Guadalajara, Espanha. Depois de terem recuperado e dado vida a uma aldeia despejada e deixada ao abandono no tempo do franquismo, seis pessoas enfrentam agora a possibilidade de uma pena de prisão se não pagarem uma multa de 110 000 euros por supostos delitos contra o meio ambiente, contra a ordenação do território e de usurpação. Urge demonstrar a nossa solidariedade com os repovoadores e as repovoadoras de Fraguas!!! Dia 24 de Setembro pelas 17:30 no Centro de Cultura Libertária

terça-feira, 19 de julho de 2022

O culto da morte continua: vontade de extermínio, propaganda de guerra e catástrofe da civilização

 


23 de julho no CCL

18 horas: Conversa seguida de jantar

As igrejas e os claustros, em baixo das suas absides e nos seus corpos, protegiam ricamente os túmulos,

enquanto os vivos ficavam miseravelmente protegidos em baixo de cabanas de palha. O culto dos mortos tem travado, desde os seus primórdios, a evolução dos homens. Ele é o “pecado original”, o peso morto, a bola que a humanidade vem arrastando consigo. 


Em 1907, nas páginas do jornal L'Anarchie, Albert Libertad escrevia  Culte de la charogne.


Nesse breve texto, Libertad lançava um duro ataque contra o costume de venerar os mortos e contra tudo aquilo que está à sua volta. 

Já passou mais do que um século desde a publicação daquele texto. Porém, o assim-chamado culte de la charogne continua a estar presente, aliás, continua a fortalecer-se cada vez mais. Ao longo do tempo, os vários fascismos – e os seus modernos epígonos – têm elogiado e glorificado a morte através dos seus símbolos e nos seus rituais fúnebres. As religiões agitam o espectro da morte, ou nalgum caso, delegam a esta a esperança de uma vida melhor. Por outro lado, os Estados fazem do desprezo pelas vidas humanas o seu eixo fundamental.

Portanto, o culto da morte continua, com as infinitas guerras, o espectro do nuclear, os campos de confinamento, as prisões, a repressão da carne e dos espíritos rebeldes.

Ele continua com a propaganda unilateral que fala dos mortos pela guerra, epidemias e outras catástrofes “naturais”, enquanto os cientistas nos advertem que o colapso da terra está ao virar da esquina. 

O triunfo da morte e o seu exército de cultores parecem determinados em eliminar qualquer espaço vital, já residual, procurando condenar-nos a um presente mortífero e a um futuro de miséria e privação. 

Se a resignação tem aparentemente monopolizado as mentes e os corações, será possível uma revolta contra toda a autoridade que consiga despertar novamente a nossa joie de vivre? Queremos discutir sobre antigos e novos cultos da morte, fazendo uma releitura do texto de Albert Libertad, contextualizando-o no atual cenário social.

quinta-feira, 30 de junho de 2022

"Anarquia e Individualismo" - dia 9 de julho, no CCL



Existirá soberania individual fora do espaço partilhado do comum?
Quando é que o individualismo se torna nihilista? Ou a lei do mais forte?
Vivemos numa cultura individualista, ou numa cultura que sacrifica o individual em nome do colectivo? O colectivo existe realmente?

18h00: conversa

20h00: jantar vegano

quarta-feira, 4 de maio de 2022

Dia 14 de Maio, no CCL

 


O pensamento utópico já conta com mais de 2000 anos. Porém, nestes tempos sombrios, parece que deixou de existir um horizonte utópico em direção ao qual caminhar.

Através da análise do livro "História das utopias" de Lewis Mumford (1922) e "Viagem através da utopia” de Maria Luisa Berneri (1950), veremos como, no nível textual, a utopia tem sido representada enquanto perspetiva com não poucas implicações autoritárias. De facto, o nascimento e a afirmação dos totalitarismos de '900 foram em parte profetizados por toda uma tradição distópica aflorada nas primeiras décadas do século.
Porém, não todas as utopias pretendem construir sociedades estritamente disciplinadas e hierárquicas, sendo que existe também um pensamento utópico anti-autoritário que tem as suas raízes nos filósofos pré-socráticos e desenvolve-se até o início do século passado.
Nestes dias em que as distopias são ultrapassadas pela própria realidade, o imaginário coletivo parece estar totalmente monopolizado pela tirania de internet, e os piores dos cenários pós-apocalíticos possíveis, como guerra, pandemia, catástrofes ambientais e miséria, concretizam-se, há ainda lugar para a utopia? É ainda possível pensar e criar novos mundos?

18h00: conversa

21h00: jantar vegano benefit para companheiros atingidos pela repressão do Estado italiano.

Menu com subscrição livre:
Rolinhos de beringela assada recheados com húmus e alcaparras
Esparguetes de courgette com creme de abacate e lima
Peperonata (pimentos salteados à moda mediterrânea)
Focaccia (vários sabores)
Coleslaw
Bolo de cacau e laranja

Rua Cândido dos Reis, 121, 1º Dto - Cacilhas (Almada)

terça-feira, 29 de março de 2022

NÃO ÀS FRONTEIRAS! NÃO À GUERRA!


Solidariedade anarquista contra a agressão do Estado russo


Dia 1 de Abril
no Centro de Cultura Libertária

19h00 - Conversa com  activistas sobre a situação da Ucrânia

20h30 - Jantar solidário com a resistência anarquista à agressão do
Estado russo

Rua Cândido dos Reis, 121, 1º Dto - Cacilhas (Almada)

quarta-feira, 2 de março de 2022

12 Março de 2022 – SMUP – o CCL estará presente.


12 Março de 2022 – SMUP – Entrada 8 Forças – TODOS OS LUCROS ANGARIADOS SERÃO REVERTIDOS PARA A FAMÍLIA E ALCINDO MONTEIRO.

16:30 - Abertura de Portas
19:00 - A Associação Cultura No Muro tem honra de apresentar o documentário "Alcindo" seguido de conversa com o realizador, Miguel Dores | Lúcia Furtado FEMAFRO |SOS Racismo e intervenientes | Moderado por Susana Costa
“A 10 de Junho de 1995, sob o pretexto múltiplo de celebrar o Dia da Raça e a vitória para a Taça de Portugal do Sporting, um grupo volumoso de etno-nacionalistas portugueses sai às ruas do Bairro Alto para espancar pessoas negras que encontra pelo caminho. O resultado oficial foram 11 vítimas, uma delas mortal, cuja trágica morte na Rua Garret atribui o nome ao processo de tribunal - o caso Alcindo Monteiro. Este é um documentário sobre uma noite longa - uma noite do tamanho de um país.”
NÃO ESQUECEMOS! NÃO PERDOAMOS! VEM!
RESERVA JÁ O TEU BILHETE EM
anti_corpos@yahoo.com
21:30 - NOISE DOLLS
22:00 - ROSA SPARKS
23:00 - ALBERT FISH
ENCERRAMENTO - NOISE DOLLS CLUB
Neste encontro teremos ainda as seguintes Bancas (em atualização) :
Cultura no muro
Jornal O Mapa
Marie tattoo
Dilar Reis
Bruno Mosac
GoSa
Anticorpos Records - Merchandising das bandas
CCL - @CentroDeCulturaLibertaria
Amora
Falas Africanas 

sábado, 19 de fevereiro de 2022

Novidade na livraria do CCL: «A afirmação negra e a questão colonial: textos, 1919-1928", uma seleção de escritos do anarquista Mário Domingues

Pedidos através de ccl@centroculturalibertaria.info ou na nossa livraria online: https://tradestories.pt/user/centro-de-cultura-libertaria

A livraria do Centro de Cultura Libertária abre ao público aos sábados das 11h às 13h e durante as actividades.

* * *

«A afirmação negra e a questão colonial: textos, 1919-1928» de Mário Domingues; ensaio e selecção de José Luís Garcia; 318 páginas (Edições Tinta-da-China, 2022) - Preço: 16 euros (portes incluídos)

Foi em 1919, há mais de um século, que Mário Domingues publicou num jornal o seu primeiro texto em defesa dos negros, intitulado «Colonização». Jornalista, cronista, escritor, nascido em S. Tomé e Príncipe, atento ao activismo do movimento negro por todo o mundo, foi construindo a partir daí, e até 1928, uma precursora obra de «rebeldia negra» na imprensa em Portugal.

Este livro recupera a maioria dos textos de Mário Domingues desse período, injustamente esquecidos, onde este escreve, muito à frente do seu tempo, sobre a condição dos negros, o racismo e a colonização, denunciando de forma arrojada preconceitos e discriminações, e expondo corajosamente a violência do colonialismo e de todas as formas de subjugação.

José Luís Garcia, que reuniu estas crónicas, apresenta ainda um ensaio introdutório sobre a obra, a vida e o contexto de Mário Domingues, «um dos maiores símbolos da passagem do negro de uma condição de subalternidade na sociedade portuguesa para autor da sua vida», e um verdadeiro «precursor da afirmação negra».

* * *

Sobre Mário Domingues

Mário Domingues nasceu na ilha do Príncipe em 1899, filho de mãe angolana natural de Malanje, que tinha ido para a ilha do Príncipe como contratada (à força) com quinze anos de idade, e de António Alexandre José Domingues, oriundo de famílias liberais de Lisboa. Com dezoito meses de idade foi enviado para Lisboa, sendo educado pela avó paterna.

Aos dezanove anos de idade aderiu ao ideário do anarquismo e iniciou colaboração no diário anarco-sindicalista A Batalha e, posteriormente, no jornal anarquista A Comuna, da cidade do Porto. Nesse período participou nas atividades de um grupo libertário que, entre outros, integrava Cristiano Lima e David de Carvalho. Fez parte da redação da revista Renovação (1925-1926) e colaborou na organização do congresso anarquista da União Anarquista Portuguesa (UAP).

Publicou diversas obras de ficção. Após o golpe de 28 de Maio de 1926 dedicou-se ao jornalismo e tornou-se escritor profissional. Voltou-se para a história, escrevendo mais de uma dezena de volumes. Também se dedicou ao romance policial, de aventuras e à literatura cor-de-rosa recorrendo a pseudónimos pretensamente estrangeiros.

Apesar de se ter afastado do movimento anarquista, quando em 1975 apareceu o jornal «Voz Anarquista», publicado em Almada, escreveu uma carta ao diretor, onde declarava: «Agora, mais do que nunca, é preciso proclamar bem alto que o anarquismo não é a desordem, a violência e o crime, como as forças reacionárias têm querido qualificá-lo. Urge desfazer essa lenda tenebrosa e demonstrar ao grande público, enganado por essas torpes mentiras, que o anarquista ama e defende o ideal supremo da ordem, exercida numa Sociedade edificada na Liberdade, na Fraternidade e na Justiça Social. À Voz Anarquista cabe essa sublime tarefa, recordando o exemplo de homens superiormente lúcidos como foram Proudhon, Eliseu Reclus, Sébastien Faure, Bakunine, Kropotkine, Neno Vasco, Pinto Quartin, Campos Lima, Cristiano Lima, Aurélio Quintanilha e outros propositadamente esquecidos, que abriram aos homens o Caminho da Liberdade».

sábado, 29 de janeiro de 2022

Dia 5 de Fevereiro no CCL | Círculo de leituras anárquicas: «O Único e a Sua Propriedade» de Max Stirner


18h - Círculo de leituras anárquicas: «O Único e a Sua Propriedade» de Max Stirner

20h - Jantar vegano

Regularmente, juntamo-nos em torno de textos que nos despertaram o interesse, partilhamos leituras e debatemos ideias. Os círculos de leituras anárquicas não são apresentações de livros, são um espaço de partilha e debate em que todos podem participar, mesmo que ainda não tenham lido o texto.


Desta vez, o texto proposto é a obra «O Único e a Sua Propriedade» de Max Stirner.


Alguns excertos:
«O que querem então os homens livres? A resposta é bem simples: eles querem precisamente ser livres, livres de toda a crença, de toda a tradição e de toda a autoridade, pois estas são desumanas.»


«Eu sou proprietário do meu poder, e sou-o ao reconhecer-me como único. No único, o próprio proprietário regressa ao nada criador de onde proveio. Todo o ser superior acima de mim, seja ele Deus ou o homem, enfraquece o sentimento da minha unicidade e empalidece apenas diante do Sol desta consciência. Se a minha causa for a causa de mim, o único, ela assentará no seu criador mortal e perecível, que a si próprio se consome. Então, poderei dizer: A minha causa é a causa de nada.» 

«Há tanta coisa a querer ser a minha causa! A começar pela boa causa, depois a causa de Deus, a causa da humanidade, da verdade, da liberdade, do humanitarismo, da justiça; para além disso, a causa do meu povo, do meu príncipe, da minha pátria, e finalmente até a causa do espírito e milhares de outras. A única coisa que não está prevista é que a minha causa seja a causa de mim mesmo! «Que vergonha, a deste egoísmo que só pensa em si!»

quarta-feira, 26 de janeiro de 2022

Transumano Mon Amour – Volume II, de Andrea Mazzola, já disponível na livraria do Centro de Cultura Libertária

Já está disponível na livraria do Centro de Cultura Libertária o segundo volume de Transumano Mon Amour de Andrea Mazzola, editado pelo jornal Mapa também com o  apoio do CCL.

Preço: 10 euros cada volume

Promoção vol. I + vol. II:  16 euros
(com portes incluídos)

Pedidos através de ccl@centroculturalibertaria.info ou na nossa livraria online: https://tradestories.pt/user/centro-de-cultura-libertaria

A livraria do Centro de Cultura Libertária abre ao público aos sábados das 11h às 13h e durante as actividades.

Transumano Mon Amour / Andrea Mazzola. Mapa (2021), 254 p.

«Com novos meios «personalizados» de manipulação de massas, como se ao progresso da inteligência artificial correspondesse um proporcional desenvolvimento da estupidez humana, às formas tradicionais de propaganda acrescenta-se o universo das redes sociodigitais, a

Propaganda 2.0. Neste tipo de circunstâncias, também podemos destacar o aniquilamento tipicamente H+ das pessoas, convertidas em artefactos, e a desumanização da existência humana, desanimada pelo uso político da tecnociência, que de modo desolador tem transformado a vida num objecto técnico. Tanto os meios quanto os fins são partilhados dos dois lados do Atlântico, e talvez sejam uma bagagem ideológica comum aos dirigentes de todas as nações. O cibertotalitarismo iminente — o golpe de Estado infomilitar —, com a sua atmosfera saturada de um fanatismo caça-heréticos, segundo o modelo institucionalizado pelo tribunal da Inquisição, fala todas as línguas, tem todos os tons de pele e fascina todas as igrejas e todos os governos (independentemente da narração das respectivas comunidades imaginadas).»

in Transumano Mon Amour – Volume II


sábado, 15 de janeiro de 2022

Sábado, 22 de Janeiro no CCL: Apresentação do Livro Transumano Mon Amour Volume II pelo autor Andrea Mazzola


18h - Apresentação do Livro  Transumano Mon Amour Volume II, seguida de jantar vegano.

Com novos meios «personalizados» de manipulação de massas, como se ao progresso da inteligência artificial correspondesse um proporcional desenvolvimento da estupidez humana, às formas tradicionais de propaganda acrescenta-se o universo das redes sociodigitais, a Propaganda 2.0. Neste tipo de circunstâncias, também podemos destacar o aniquilamento tipicamente H+ das pessoas, convertidas em artefactos, e a desumanização da existência humana, desanimada pelo uso político da tecnociência, que de modo desolador tem transformado a vida num objecto técnico. Tanto os meios quanto os fins são partilhados dos dois lados do Atlântico, e talvez sejam uma bagagem ideológica comum aos dirigentes de todas as nações. O cibertotalitarismo iminente — o golpe de Estado infomilitar —, com a sua atmosfera saturada de um fanatismo caça-heréticos, segundo o modelo institucionalizado pelo tribunal da Inquisição, fala todas as línguas, tem todos os tons de pele e fascina todas as igrejas e todos os governos (independentemente da narração das respectivas comunidades imaginadas).

in Transumano Mon Amour - Volume II

domingo, 12 de dezembro de 2021

Sábado, 18 Dezembro no CCL: O advento da quarta revolução industrial: viragem autoritária, impulsos reacionários e revoltas urbanas

 


17h – Conversa

20h – Jantar benefit para companheiros italianos

Desde há alguns anos ouve-se falar de quarta revolução industrial. Esta é a última mudança do modo de produção capitalista. É um processo de reestruturação feito pela introdução de técnicas tais como inteligência artificial, internet das coisas, robôs, realidade aumentada, big data, etc.

A partir da 1ª Revolução Industrial, as máquinas vieram substituir, gradualmente, o trabalho humano: desde o fim do século XVIII com a introdução do tear mecânico e o uso do motor a vapor, a primeira linha de montagem alimentada pela energia elétrica em 1870, os primeiros softwares em 1969 e o controlo automatizado das fábricas, até às smart factories dos nossos dias. Estes são apenas uns poucos dos muitos exemplos de mudança do modus operandi da produção capitalista, mudanças prestes a acontecerem também no âmbito político. Suportada pelo auxílio das novíssimas tecnologias, a viragem autoritária que está a envolver, em primeira linha, os países da União Europeia está à vista de todos. As medidas de lockdown, junto com a incrementação do controlo policial, estão a limitar os assim-chamados “direitos do Estado liberal-democrático”, deixando intactas as suas estruturas formais (Parlamentos, Sistemas Judiciários, Formas de governo etc). Contra isso tudo, em diferentes partes do mundo, um movimento amorfo e contraditório está a se erguer, se bem que caracterizado, por vezes, por impulsos reacionários e religiosos, em defesa da “antiga normalidade”.

Apesar disso, este magma não se deixa cooptar por alguma organização política que sirva enquanto intermediação entre os protestos e o Estado, fazendo com que a raiva transborde e gere episódios de cólera coletiva e individual, lançando, assim, sementes de revoltas espontâneas.   

Sábado 18 de dezembro, no CCL, vamos conversar sobre o impacto das tecnologias trazidas pela quarta revolução industrial nas nossas vidas e das consequências dessa viragem autoritária do Estado. A seguir, haverá um jantar benefit para alguns companheiros italianos atingidos pela operação repressiva “Sibilla” (novembro 2021). 

segunda-feira, 6 de dezembro de 2021

11 de Dezembro no CCL: Apresentação do livro “Contra o Leviatã, Contra a sua História” de Fredy Perlman


18h - Apresentação do livro “Contra o Leviatã, Contra a sua História” de Fredy Perlman, pelo seu tradutor

20h -  Jantar vegano


Contra o Leviatã, Contra a sua História / de Fredy Perlman (Tradução de Pedro Morais). Livros Flauta de Luz, 2021.

Uma das obras-primas de Fredy Perlman, Contra o Leviatã, Contra a sua História foi publicado pela primeira vez em 1983, em Detroit. Neste ensaio, cuja investigação durou meia década e levou o autor a visitar locais arqueológicos em três continentes, Perlman procede a uma revisitação crítica da história da Humanidade, desde as origens sumérias da civilização ocidental até aos nossos dias, pondo em causa os fundamentos canónicos baseados na narrativa estatal. O Leviatã representa o Estado no seu sentido mais profundo e amplo, não só a instituição administrativa de uma sociedade, mas também a construção da própria sociedade, a sua maquinaria, a sua espiritualidade morta, o seu militarismo, as suas relações alienadas e patriarcais, o seu desprezo pela natureza e as suas tecnologias de poder.

Fredy Perlman (1934-1985) nasceu na Checoslováquia, de onde fugiu ao nazismo com os pais, para os Estados Unidos. Professor de Sociologia e Antropologia durante algum tempo, foi dissidente da Universidade e activista durante toda a sua vida adulta, tendo participado no Maio de 68 em França e nas sublevações contemporâneas ocorridas nos EUA. Tipógrafo e impressor de todos os seus livros, criou uma cooperativa gráfica que se tornou um exemplo de autonomia solidária. É autor de um grande número de ensaios e de uma obra ficcional muito original, que a sua morte prematura interrompeu em plena criação.

domingo, 21 de novembro de 2021

24 /11 - Caravana Zapatista pela Vida - Filme + Conversa com o Congreso Nacional Indígena

 

CARAVANA PELA VIDA

24 de Novembro de 2021
- 19h

Conversa com o Congreso Nacional Indígena de México - CNI

Projecção de filme sobre "La representación indígena en Mexico"
(com sopa)

no Centro de Cultura Libertária

A Caravana pela vida dos povos mexicanos começou em Portugal em Novembro de 2021 com duas delegações do Exército Zapatista de Libertação Nacional (EZLN) e três membros da delegação do Congresso Nacional Indígena (CNI) que se deslocam agora por toda a Europa. A partir de uma série de encontros de escuta e palavra, ambas as delegações de povos originários propõem-se trocar histórias sobre as formas de resistência autónoma nos seus territórios e as formas como lutamos a partir de baixo e à esquerda como possibilidades de encontrar caminhos diferentes para a hidra capitalista que hoje nos tem sem futuro à vista.

O Congresso Nacional Indígena foi constituído a 12 de Outubro de 1996 como um espaço onde os povos originarios se encontram para reflexão, solidariedade e reforço das lutas de resistência e rebelião, com as suas próprias formas de organização, representação e tomada de decisões. Cristalizou-se a partir do impulso do EZLN depois do Estado mexicano não ter cumprido os acordos políticos com as populações indígenas e ter ignorado a sua autonomia.

Três delegados da CNI estarão presentes no Centro de Cultura Libertária: Marcela da Frente de Defesa da Terra e da Água da Península de Yucatán; Isabel da Comunidade Indígena Otomí, residente no CDMX e participante no "Toma" do EXINPI, agora conhecida como Casa de los Pueblos, e Eliezer, delegado de Amilcingo (Morelos). O seu objectivo é apresentar um documentário sobre vozes indígenas e discutir o poder da assembleia face à representação partidária hegemónica.

terça-feira, 2 de novembro de 2021

Manifestação: Contra todas as Prisões | Dia 6 de Novembro às 15h | Estabelecimento Prisional de Lisboa

 
Divulgamos:

Contra todas as Prisões
Dia 6 de Novembro às 15h
em frente ao Estabelecimento Prisional de Lisboa


«Desde o início deste ano até 29 de Setembro morreram 27 pessoas nas prisões portuguesas. Em 2020, foram contabilizadas 75 mortes, 54 por doença e 21 por "suicídio" (nove delas no Estabelecimento Prisional de Lisboa) segundo o relatório anual de segurança interna. Portugal é um dos países da Europa onde mais pessoas morrem na prisão.
No dia 15 de setembro morreram três pessoas: Danijoy Pontes e Daniel Rodrigues no EPL, e outra em Alcoentre. Danijoy tinha apenas 23 anos e Daniel Rodrigues tinha 37. O Estado justifica o elevado número de mortes com o facto da população prisional portuguesa ser das mais envelhecidas, mas, como é evidente por estas duas mortes recentes no EPL, os jovens saudáveis também morrem. E porquê? Porque para além de por si só o encerro ser já um acto de tortura contra qualquer ser humano, as condições nas prisões levam inevitavelmente à doença e à morte: comida podre; celas húmidas com pulgas e percevejos; condições de higiene precárias que colocam em risco a saúde das pessoas presas; atenção médica insuficiente OU reiteradamente ignorada; administração de medicamentos aleatória sem diagnóstico comunicado à pessoa presa ou aos seus familiares; etc. A tudo isto acrescentam-se os castigos, as torturas e a violência praticada quotidianamente pelos guardas com total impunidade e o silêncio cúmplice dos seus superiores.
Por toda esta realidade que enfrentam os reclusos e os seus familiares facilmente se entende que a "reinserção" é uma grande mentira e que a missão das prisões é exclusivamente castigar a pobreza, retirando toda a dignidade àquelas pessoas que têm a infelicidade de acabar fechadas numa cela por ordem de um qualquer magistrado.
No dia 6 de novembro saímos à rua contra todas as prisões e por todas as pessoas presas, para demonstrar que não estão sós!»
 


 

domingo, 24 de outubro de 2021

Aula de português para estrangeiros: nova data | Portuguese classes for foreigners: new date


A aula de português para estrangeiros do dia 31 de outubro foi adiada para o domingo seguinte: 7 de novembro.

The Portuguese for foreigners class on October 31st has been postponed to the following Sunday: November 7th.

terça-feira, 12 de outubro de 2021

Dia 23 de Outubro no CCL | Círculo de leituras anárquicas: «O Apoio Mútuo», de Piotr Kropotkin


18h - Círculo de leituras anárquicas: O Apoio Mútuo, de Piotr Kropotkin

20h - Jantar vegano

Regularmente, juntamo-nos em torno de textos que nos despertaram o interesse, partilhamos leituras e debatemos ideias. Os círculos de leituras anárquicas não são apresentações de livros, são um espaço de partilha e debate em que todos podem participar, mesmo que ainda não tenham lido o texto.

Desta vez, o texto proposto é a obra O Apoio Mútuo, de Piotr Kropotkin. Em território português, esta obra foi editada pela primeira vez este ano pela editora Antígona.

«Obra marcante do célebre anarquista russo, O Apoio Mútuo (1902) é um dos primeiros estudos sistemáticos da entreajuda em comunidades humanas e animais. Respondendo aos defensores do darwinismo social — para quem o progresso resulta da feroz competição entre indivíduos e da sobrevivência dos mais aptos —, Kropotkine propõe, baseado em registos históricos e detalhadas observações, que a cooperação é o verdadeiro factor da evolução. Ao mostrar que as pessoas tendem espontaneamente para a ajuda mútua, e que é o Estado, com a sua ânsia de regular colectividades e defender privilégios privados, que corrompe esta inclinação natural, Kropotkine constrói a defesa do anarquismo e apresenta uma base científica para a organização da vida em sociedade. Texto essencial para compreender os fundamentos anarquistas, combinando a erudição de um cientista experiente com o discurso poderoso de um libertário, O Apoio Mútuo não só conserva a sua actualidade, como encerra a clarividência e o optimismo de que precisamos nos nossos dias.» (sinopse retirada da edição da Antígona de 2021)

Mais algumas contribuições para o debate:

«Kropotkin: "a ajuda mútua representa na evolução um importante elemento de progresso"» - https://colectivolibertarioevora.wordpress.com/2015/12/09/kropotkin-a-ajuda-mutua-representa-na-evolucao-um-importante-elemento-de-progresso/

«A atualidade revolucionária do conceito "apoio mútuo" de Piotr Kropotkin», por David Graeber e Andrej Grubačić - https://autonomialiteraria.com.br/a-atualidade-revolucionaria-do-conceito-apoio-mutuo-de-piotr-kropotkin/